Voltar à página principal

Cunha 

                                            
 

    Situada na área geográfica e histórica de Sernancelhe, a freguesia de Cunha tem como anexa a  Tabosa da Cunha, que no passdo foi também Tabosa das Arnas

           

    A freguesia está implantada num lindíssimo vale aberto de Norte para sul sobre o vale do Távora. Este vale é atravessado por um ribeiro - o Tabosa. Certamente porque era necessário atravessá-lo para ir a Arnas, havia aqui uma ponte de tábuas comum às gentes de ambos os lados do ribeiro. As povoações chamavam-se no século XIII, "Tavoosa" e, depois, "Tabulosa das Arnas" para se distinguir duma outra Tabosa da freguesia do Carregal do mesmo concelho. Tanto Tabosa como Arnas, sempre dependeram de Cunha, que lhes fica mais a sul.

         

    Cunha um topónimo que se escrevia Cuya no século XIII, significa colina (do latim colina donde deriva) e é um nome tiopográfico que corresponde perfeitamente ao aglomerado aí instalado e em que assenta.

          

    É mais provável que nos montes que rodeiam a freguesia, nomeadamente no do Pereiro, tivesse existido uma fortificação castreja, donde as populações foram descendo para o vale fértil.

           

    A ordem do Hospital bem cedo adquiriu aqui três casais e, como tabosa, foi crescendo, a respectiva Comenda organizou a paróquia de Santo António de Tabosa na segunda metade do século XVI.

    Quem visitar o Museu Grão Vasco (Viseu) e der uma espada dita do "Tenente da Tabosa" que lá se guarda, talvez não saiba que ela pertenceu a um cruel e façanhado filho desta terra. António Costa de seu nome, foi  primeiro um feroz matador de liberais, depois tão cruel ou mais, assassino de miguelistas. Mas, como quem ferros mata, com ferros morre, teve fim idêntico ao das suaa vítimas ... A memória do povo não esqueceu a laje dos enforcados de então.

          

    Nesta freguesia viveu a família nobre dos Cortezes de Sernancelhe, uma das muitas que por lá se instalaram em tempos passados.

    Uma casa brasonada dos Azevedos e a igreja matris do século XVII merecem uma visita.

Fonte do texto: CM Sernancelhe

 Voltar à página principal