Voltar à página principal

Lapa

 

 

 
   

* A Lapa *

* O Santuário *

* A Lenda da Pastorinha *

* O Colégio *

* A Cadeia, os Miradouros, a Fonte dos Clérigos e a Capela Setecentista *

* O Pelourinho *
 

   
 
Quintela, no alto da serra,
Tão fustigada pelos ventos,
Demos-lhe o que merece.
Quem a vir já não a conhece
A Quintela de outros tempos.

Situada no rio Vouga,
Com pequenos quintais
De terra muito arenosa.
Mas tinha a Serra famosa
Para criação de animais.
 

E para quem tiver fama
Não há porta que não se abra
Pois assim era Quintela
Que nas feiras falavam dela
O famoso queijo de cabra.
 

Foi com esta pequena indústria
Que Quintela cresceu.
Agora é um lindo povoado
Que tem muito perto ao lado
O famoso hotel do Judeu.

Em acabando o saneamento
E a água canalizada
Quintela já pode dizer
Que se pode bem aí viver
Porque aí não falta nada.
 

Gostava de ir ao Vaticano
E poder dizer ao Papa
Que viesse Ele cá ver
O ritmo em que está a crescer
A tua linda anexa, a Lapa.

Visitada por muita gente
Que ninguém diz o contrário
Dizendo bendita a hora
Que visitei Nossa Senhora
Em tão lindo santuário.

E ao verem os teus acessos,
Sem que ninguém os aconselhe,
Dizem neste lugar tão frio
Está bem visível o brio
Da Câmara de Sernancelhe.
 

Mesmo até sem saberem
Qual a sua intenção
Fazem uma pista para ciclismo,
Mais pensões para o turismo
E um campo de aviação.

É o que tencionam fazer
Sem que haja embaraços
Porque os seus dirigentes
São homens muito valentes
Que nunca baixam os braços.

Uma Câmara que considera
Todas as freguesias dela
Mas é bom de compreender
Que nas outras não pode fazer
O que faz na de Quintela.

O seu campo geográfico
É dos outros muito diferente
A Câmara pode ali fazer
Tudo quanto ela quiser
Porque tem finanças e gente.
 

Dizem as pessoas do Minho
Vamos à Senhora de longe
Comer o pão abençoado
Que é lá fabricado
Na padaria Monge.

Vamos lá tomar café
Porque é festa nesse dia
Depois para dar exemplo
Entramos dentro do templo
Para fazer romaria.
 

Vai ser na serra da Lapa
Que Sernancelhe vai mostrar,
É claro se tiver sorte,
A outros concelhos do norte
Aonde é capaz de chegar.





António Faustino
 "Sernancelhe e os seus Poetas",
Edição da Câmara Municipal de Sernancelhe - 1998.

 Voltar à página principal 

Olhe a barra de Status